Desafio Mensal

Todos os meses o programa PEGADAS lança um desafio à comunidade escolar sobre um tema da atualidade. Através de uma simples notícia, slogan, vídeo ou fotografia, damos o mote para que se possa refletir, argumentar e desenvolver espírito crítico sobre  assuntos de cariz ambiental.

Com este desafio queremos envolver professores e alunos num debate construtivo e participativo, com a partilha das suas visões escritas, gráficas ou filmadas sobre os desafios propostos.

Todas as participações deverão ser enviadas num dos seguintes formatos: 
– Vídeo – em formato reportagem, entrevista ou testemunho (máximo 1.30min);

– Texto em formato reportagem jornalística ou artigo de opinião (máximo 1 pág/ letra calibri 11) 
Observação: Todos os textos dos participantes da escola/agrupamento devem ser compilados num único documento devidamente corrigido pelo professor responsável. 

– Desenho ou trabalhos manuais.


Todas as participações deverão ser submetidas para publicação posterior através do e-mail pegadas@cm-guimaraes.pt.

Queremos o envolvimento e participação de todos numa reflexão alargada sobre os acontecimentos da nossa casa comum.

Fevereiro 2024

"Humanidade não sobreviverá sem zonas húmidas, alerta SPEA".

O diretor da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA), alertou esta quinta-feira que as zonas húmidas são essenciais para o futuro da humanidade, e que sem estas a humanidade não sobreviverá – “Se não fizermos mais para proteger as zonas húmidas, não sobreviveremos às alterações climáticas”.

Num comunicado, o responsável avisa que, sem as zonas húmidas haverá mais inundações, exemplificando com as turfeiras em altitude dos Açores que capturam as águas da chuva e impedem enxurradas, referindo ainda que sem zonas húmidas, como os estuários e as lagoas costeiras, vai ser impossível resistir à subida do nível do mar.

Seguindo esta linha de pensamento desafiamos os alunos a estudarem a relevância das zonas húmidas da região, criando um documento exploratório onde possam descrever o que é uma zona húmida, qual a biodiversidade que alberga, quais os seus benefícios e porque estão em declínio.

Todos os trabalhos podem ser enviados em formato PDF ou PowerPoint para: pegadas@cm-guimaraes.pt, a fim de serem partilhados no portal PEGADAS.

Janeiro 2024

“Municípios apostam na separação e valorização dos resíduos orgânicos. ".

Os municípios estão obrigados, desde 1 de janeiro de 2024, a acrescentarem à recolha seletiva de resíduos, um sistema de recolha dos biorresíduos (restos de comida e resíduos biodegradáveis de jardins e parques) descartados pelos seus munícipes.

De acordo com as entidades oficiais desconhece-se a percentagem de municípios que iniciaram a implementação dessa medida, mas os ambientalistas falam num atraso generalizado, o que compromete o atingimento das metas europeias.  

E tu? Já fazes a separação dos resíduos orgânicos? Sabes se Guimarães implementou a recolha seletiva de biorresiduos?

Desafiamos os alunos explorarem o tema e a perceberem a importância da separação e valorização dos resíduos orgânicos. Quais os benefícios para o planeta? Em que são valorizados? O que Guimarães tem feito nessa área?

Os resultados da pesquisa deverão ser apresentados em formato PowerPoint ou PDF e remetidos para pegadas@cm-guimaraes.pt

Dezembro 2023

“A exposição à poluição do ar foi responsável por mais de 2.000 mortes em Portugal em 2021".

«Cerca de 2.100 mortes em Portugal, durante o ano de 2021, podem ser atribuídas à exposição a partículas poluentes em suspensão», este é o resultado do relatório divulgado pela Agência Europeia do Ambiente.

De acordo com o relatório intitulado «Perigo da poluição do ar para a saúde humana: o fardo da doença 2023», a poluição do ar é «atualmente o maior fator de risco ambiental na Europa» e continua a ser a principal causa da «saúde débil, em particular das doenças respiratórias e cardiovasculares», afetando cada vez mais os cidadãos residentes nas áreas urbanas.

Neste sentido, desafiamos os alunos a refletirem sobre medidas que deverão ser implementadas para mitigar este flagelo. Como cada um de nós pode contribuir para uma qualidade do ar mais respirável e de qualidade; O que está a ser feito em Portugal e na Europa? Causas e consequências da poluição do ar no organismo humano e na qualidade de vida?

A reflexão em formato PDF ou PowerPoint deverão ser remetidas para pegadas@cm-guimaraes.pt

Novembro 2023

“Plantar árvores é magnífico para o combate às alterações climáticas", diz especialista.

O professor universitário Filipe Duarte Santos, conhecido pelo seu trabalho de investigação na área das ciências do ambiente e em particular sobre Alterações Climáticas afirma que «Plantar árvores é magnífico para o combate às alterações climáticas». Esta afirmação foi dita no 16.º Fórum da Sustentabilidade da Navigator Company, que aconteceu a 31 outubro, em Santarém.

Na sua comunicação, o investigador pôde ainda fazer referência ao importante papel das árvores no restauro dos solos, na promoção da biodiversidade, no efeito da diminuição das temperaturas das cidades, nos potenciais económicos da plantação de certas espécies, na prevenção aos incêndios florestais com estratégias de ordenamento do território mais efetivas, entre outras mais-valias. Em suma, plantar árvores traz repercussões na qualidade de vida das cidades, dos cidadãos e claro na mitigação aos efeitos das alterações climáticas.

Face ao exposto importa aprofundar o valor da árvore no combate às alterações climáticas. Desafiamos os alunos a realizarem um trabalho de pesquisa sobre as diversas formas de como as árvores e as florestas desempenham um papel fundamental no combate às alterações climáticas.

Os trabalhos realizados (em PowerPoint ou PDF) devem ser remetidos para: pegadas@cm-guimaraes.pt, a fim de serem partilhados no portal PEGADAS.

Outubro 2023

BOAS NOTÍCIAS: “Eletricidade oriunda de combustíveis fósseis ao nível mais baixo de sempre na UE.”

De acordo com o grupo de reflexão sobre energia Ember, a eletricidade produzida a partir de combustíveis fósseis caiu para 33% na União Europeia (UE) no primeiro semestre deste ano, o nível mais baixo de sempre.  

Entre janeiro e junho, “os combustíveis fósseis geraram 410 TWh (Terawatts-hora) na UE, a quota mais baixa do ‘mix elétrico’ alguma vez registada, 33%”, especifica a Ember no seu relatório, contra os quase 36% de todas as energias renováveis, incluindo cerca de 27% para as energias solar e eólica, segundo dados fornecidos por este grupo à agência France-Presse (AFP). De acordo com a mesma fonte, também a produção de eletricidade fóssil em centrais a carvão ou gás caiu 17% entre janeiro e junho, em comparação com o primeiro semestre de 2022.

De referir ainda que cinco países membros da UE registaram mesmo uma queda superior a 30% (Portugal, Áustria, Bulgária, Estónia, Finlândia).

Assim, podemos perceber que são excelentes notícias para o planeta e para a tão ambicionada transição para a utilização de energias mais sustentáveis. Portugal, aliás, está a demonstrar-se brilhante no que concerne à transição energética verde.

Nesse sentido, desafiamos os alunos a procurarem saber mais sobre as energias renováveis mais utilizadas em Portugal, criando um PowerPoint com as estratégias e projetos mais inovadores nacionais, meritórios de reconhecimento.

Todas as contribuições deverão ser remetidas para: pegadas@cm-guimaraes.pt, em formato PowerPoint ou PDF, a fim de serem partilhados no portal PEGADAS.

Junho 2023

PORTUGAL ESGOTOU NO MÊS DE MAIO OS RECURSOS DISPONÍVEIS PARA ESTE ANO

Portugal esgotou no passado dia 7 de maio de 2023 os recursos naturais disponíveis para este ano, passando a viver a crédito, com recursos que só deveriam ser consumidos no próximo ano, de acordo com os dados divulgados pela associação ambientalista Zero.

De acordo com esta associação não governamental, se a humanidade adotasse o estilo de vida dos cidadãos de Portugal a humanidade exigiria cerca de 2,9 planetas para sustentar as suas necessidades.

Propomos assim uma reflexão sobre este tema, bem como uma autoanálise aos teus comportamentos diários. Enquadras-te neste consumismo? Preocupas-te com a Pegada Ecológica que deixas no planeta? O que fazes para minimizar o teu impacto no planeta.

Todas as reflexões escritas deverão ser partilhadas para: pegadas@cm-guimaraes.pt, a fim de serem colocadas no portal PEGADAS.

Maio 2023

Guimarães formaliza candidatura a Capital Verde Europeia 2025

A cidade de Guimarães formalizou, no passado mês de abril, a candidatura a Capital Verde Europeia 2025. Depois de ter apresentado uma primeira candidatura em 2017, alcançando o 5.º lugar entre as 13 cidades concorrentes, o município de Guimarães continuou a reforçar a sua aposta no desenvolvimento sustentável do território, ao longo dos últimos anos, desenvolvendo projetos de elevado valor na área ambiental.

O Laboratório da Paisagem foi a instituição que coordenou a presente candidatura, tendo a sua redação contado com uma equipa multidisciplinar que integrou técnicos municipais e das entidades participadas, assim como especialistas nas diversas áreas em avaliação. 

A autarquia, liderada por Domingos Bragança, refere que “Guimarães mostra que uma cidade patrimonial, histórica e cultural, pode ser também uma cidade verde”. 

O Prémio Capital Verde Europeia (‘European Green Capital Award’), atribuído pela Comissão Europeia, reconhece os esforços locais para construir centros urbanos mais sustentáveis com melhorias significativas na economia e qualidade de vida das populações das cidades.

Todos os anos, a distinção é atribuída a uma cidade que se tenha destacado pelo facto de alcançar altos padrões ambientais, de forma consistente, e que aposte no estabelecimento de objetivos ambiciosos no que diz respeito à sustentabilidade urbana e ao combate às alterações climáticas.

Em caso de vitória, Guimarães tornar-se-á a segunda cidade portuguesa premiada, depois de Lisboa ter vencido este título em 2020.

Desafiamos os alunos o conhecerem melhor o processo desta candidatura e a inteirarem-se sobre os indicadores ambientais em avaliação, bem como os benefícios deste galardão para a cidade e para os cidadãos. No final, sugerimos ainda uma reflexão sobre o que gostariam de ver concretizado no território, caso GUIMARÃES seja Capital Verde Europeia em 2025. 

A reflexão em Word ou apresentação PowerPoint e deverá ser partilhada para pegadas@cm-guimaraes.pt

Abril 2023
© Ivo Pereira / Global Imagens
"UE tem acordo para alcançar 42,5% de energias renováveis até 2030"

Os Estados Membros da União Europeia (UE) e o Parlamento Europeu realizaram um acordo importante no combate às alterações climáticas, que estabelece a meta de 42,5% de energias renováveis no consumo energético europeu até 2030, o que significa quase dobrar o nível atual de energias renováveis (22%).

Face a estas boas notícias, desafiamos os alunos a desenvolverem um poster digital, sobre importantes medidas que podemos utilizar para minorar os gastos de energia e tornar os edifícios mais sustentáveis e explorar o importante contributo das energias renováveis na diminuição da pegada carbónica.

Os trabalhos deverão ser enviados para pegadas@cm-guimaraes.pt para posterior partilha no portal PEGADAS.

Março 2023
© Ivo Pereira / Global Imagens
"Ministro do Ambiente reconhece que Portugal "está atrasado" na gestão de resíduos"

O ministro do Ambiente e Ação Climática reconheceu esta sexta-feira, 24 de fevereiro, que Portugal “está atrasado” ao nível da gestão de resíduos, considerando que a atualização, “em breve”, da estratégia nacional nesta área vai permitir ao país atingir as metas traçadas.

“Nós estamos, ao nível dos resíduos, com metas bastante longe daquilo que eram os objetivos. É verdade, há um trabalho a fazer, estamos atrasados, temos conhecimento que é uma área em que temos muito trabalho para fazer, mas estamos empenhados e queremos acreditar que, com a estratégia que vai ser publicada e com os incentivos que, entretanto, também estamos a procurar melhorar, vamos, de uma vez por todas, procurar encontrar um caminho para atingir essas metas”, afirmou Duarte Cordeiro no Porto, à margem da assinatura do “Portuguese Shoes Green Pact”.

Comentando as declarações feitas na quinta-feira, no parlamento português, pelo Comissário Europeu responsável pela pasta do Ambiente, Oceanos e Pescas Virginijus Sinkevicius, que considerou que Portugal deve aumentar a capacidade de reciclagem e melhorar a gestão de resíduos, o ministro admitiu que também a avaliação da década do ponto de vista das políticas ambientais da OCDE converge no sentido de que “Portugal, a nível dos resíduos, está atrasado”.

“É verdade, é uma constatação de facto”, reconheceu, assumindo uma particular preocupação com o volume de resíduos que vão para aterro: “Temos uma percentagem muito elevada no nosso país e temos uma meta de 10% em 2035 e estamos muito longe, estamos com cerca de 56%”, disse.

A correta gestão dos resíduos orgânicos é crucial para a transição para uma economia circular, com o objetivo de reduzir o lixo em aterro e minimizar as emissões da gases com efeito de estufa. No seguimento desta notícia desafiamos os alunos a pesquisarem mais sobre formas de gestão dos resíduos orgânicos, nomeadamente, a compostagem e as suas vantagens ambientais e sobre o que se tem feito em Guimarães neste âmbito.

Todos os trabalhos podem ser enviados em formato PDF ou PowerPoint para: pegadas@cm-guimaraes.pt, a fim de serem partilhados no portal PEGADAS.

Fevereiro 2023
© Ivo Pereira / Global Imagens
"Esta inversão no buraco do ozono é positiva, mas é preciso ver o tempo que demorou"

O Painel de Avaliação Científica das Nações Unidas anunciou que o buraco na camada de ozono está a diminuir e deverá continuar a recuperar nas próximas quatro décadas. De acordo com o relatório, “espera-se que o buraco do ozono sobre a Antártida esteja consolidado até 2066, sobre o Ártico até 2045 e no resto do mundo até 2040″, sendo imprescindível continuarmos este caminho de melhoria da gestão dos resíduos urbanos, de forma a reduzirmos os impactes na atmosfera.

Esta notável recuperação deveu-se em grande medida ao Protocolo de Montreal, ratificado pelos 198 países-membros das Nações Unidas, em 1987, que assumiu a proteção da camada de ozono como o seu principal objetivo, através da eliminação progressiva de substâncias como os clorofluorcarbonetos (CFC).

Com esta boa notícia desafiamos os alunos a pesquisarem mais sobre os Gases com Efeito de Estufa, as suas causas e consequências para o planeta, explorando também estratégias e ações para mitigar os seus efeitos.

Todos os trabalhos podem ser enviados em formato PDF ou PowerPoint para: pegadas@cm-guimaraes.pt, a fim de serem partilhados no portal PEGADAS.

 

Janeiro 2023
© Ivo Pereira / Global Imagens
2023: novo ano traz aumentos generalizados impulsionados pela inflação

Devido ao impacto da inflação, os consumidores vão pagar mais por uma variedade de bens e serviços do seu dia-a-dia, seja na alimentação, eletricidade, gás, transportes, etc. O custo de vida prevê-se significativamente mais elevado em 2023 e os especialistas alertam para um período difícil, que vai requerer um grande esforço e organização familiar.

Pela “carteira” e pelo planeta, é importante reeducarmos hábitos e mudarmos os nossos comportamentos enquanto consumidores, poupando.  

Assim, desafiamos os alunos a apresentarem estratégias nos diferentes setores: alimentação, energia, água e mobilidade, para que possamos ser mais sustentáveis em 2023.

Todas as contribuições deverão ser remetidas para: pegadas@cm-guimaraes.pt, a fim de serem partilhadas no portal PEGADAS.