G4CE – Guimarães para a Economia Circular

G4CE – Guimarães For Circular Economy (Guimarães para a Economia Circular)
Sub-temática 2020/2021: Produtos de uso único

Guimarães tornou-se na primeira cidade portuguesa a assinar a declaração Europeia das Cidades Circulares a par de outras cidades europeias como Ghent, Praga, Copenhaga, Helsínquia, Budapeste, Florença, Oslo, Liubliana e Malmo.

Esta transição assenta no modelo de produção e consumo baseado na partilha, reutilização, reparação e reciclagem de materiais e produtos existentes, o que implica a redução do desperdício ao mínimo.

Neste âmbito, desde 2016, Guimarães apresentou um plano estratégico para a Economia Circular (G4CE – Guimarães para a Economia Circular) que procura alcançar uma sociedade eficiente em termos de recursos com baixo teor de emissões de carbono e socialmente responsável, envolvendo os seus cidadãos.

No âmbito do plano estratégico G4CE insere-se o projeto de valorização das pontas de cigarros e outros estudos referentes à produção de bioplásticos a partir de resíduos alimentares, ou a remediação de solos e produção de pellets e briquetes a partir de resíduos verdes.

Nesta ótima, e durante o ano letivo 2020/21 debruçar-nos-emos sobre os produtos plásticos de uso único, muito dos quais com um impacto muito negativo nos ecossistemas marinhos. Hoje sabe-se que 80% do lixo dos oceanos é composto por plástico, o que obriga a uma sensibilização acrescida para a temática, não só para a moderação do consumo mas também para a necessidade de pugnarmos pela valorização destes resíduos. Também no atual contexto de pandemia, as máscaras descartáveis e comunitárias, podem rapidamente transformar-se em mais um resíduo com especial impacto ambiental.

Assim, no presente ano letivo a comunidade escolar será desafiada a depositar as máscaras reutilizáveis e descartáveis num contentor próprio, a ser disponibilizado nas escolas dos agrupamentos, com vista a participarem num estudo de valorização deste novo resíduo da sociedade, evitando a sua deposição em aterro. O projeto, a iniciar-se no segundo período, contempla o reconhecimento dos agrupamentos mais participativos através de um prémio a definir (ex. mobiliário urbano ou equipamento).

Para além desta temática, nesta atividade âncora pretende-se que a comunidade escolar se envolva em três frentes:
1º – REDUZIR – Diminuir produção de todo o tipo de resíduos, sobretudo os de uso único, criando estratégias no seio da comunidade escolar;
2º – EDUCAR – Dinamizar ou acolher ações de sensibilização para a adoção de novas atitudes e comportamentos face ao consumo e descarte dos resíduos, incentivando a uma economia circular;
3º – VALORIZAR – Conhecer e integrar, de forma participada, os projetos inovadores que visam o estudo e valorização dos resíduos e a sua transformação em novos produtos.

Objetivos:
– Conhecer a importância de práticas que visam a redução e otimização dos resíduos;
– Conhecer formas de valorização dos resíduos;
– Adotar práticas de consumo responsável;
– Refletir sobre a mudança de paradigma de uma economia linear para uma economia circular;
– Reconhecer uma economia verde enquanto estratégia para a produção de modelos mais sustentáveis.

Escolaridade: 1º Ciclo, 2º Ciclo, 3º Ciclo, 5º, Pré-Escolar, Secundário

Enquadramento: Biologia, Cidadania, Ciências Naturais, Educação Física, EV, EVT, Física e Química, Geografia, Geologia, Matemática, Português

Promotores: Laboratório da Paisagem

Inscreva-se nesta atividade
  • Ciclo de Ensino
  • Data pretendida para realizar a atividade
    Hora pretendida para realizar a atividade